terça-feira, 7 de junho de 2011

Nova Resolução no 357 do CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE
CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE
RESOLUÇÃO No 430, DE 13 DE MAIO DE 2011

Dispõe sobre as condições e padrões de
lançamento de efluentes, complementa e altera a
Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do
Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA.
O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das
competências que lhe são conferidas pelo inciso VII do art. 8o da Lei no 6.938, de 31 de agosto de
1981, regulamentada pelo Decreto no 99.274, de 6 de junho de 1990 e suas alterações, tendo em vista o
disposto em seu Regimento Interno, Anexo à Portaria no 168, de 13 de junho de 2005, resolve:
Art. 1o Esta Resolução dispõe sobre condições, parâmetros, padrões e diretrizes para
gestão do lançamento de efluentes em corpos de água receptores, alterando parcialmente e
complementando a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio
Ambiente-CONAMA.
Parágrafo único. O lançamento indireto de efluentes no corpo receptor deverá observar
o disposto nesta Resolução quando verificada a inexistência de legislação ou normas específicas,
disposições do órgão ambiental competente, bem como diretrizes da operadora dos sistemas de coleta
e tratamento de esgoto sanitário.
Art. 2o A disposição de efluentes no solo, mesmo tratados, não está sujeita aos
parâmetros e padrões de lançamento dispostos nesta Resolução, não podendo, todavia, causar poluição
ou contaminação das águas superficiais e subterrâneas.
Art. 3o Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados
diretamente nos corpos receptores após o devido tratamento e desde que obedeçam às condições,
padrões e exigências dispostos nesta Resolução e em outras normas aplicáveis.
Parágrafo único. O órgão ambiental competente poderá, a qualquer momento, mediante
fundamentação técnica:
I - acrescentar outras condições e padrões para o lançamento de efluentes, ou torná-los
mais restritivos, tendo em vista as condições do corpo receptor; ou
II - exigir tecnologia ambientalmente adequada e economicamente viável para o
tratamento dos efluentes, compatível com as condições do respectivo corpo receptor.
CAPÍTULO I
DAS DEFINIÇÕES
Art. 4o Para efeito desta Resolução adotam-se as seguintes definições, em
complementação àquelas contidas no art. 2o da Resolução CONAMA no 357, de 2005:
I - Capacidade de suporte do corpo receptor: valor máximo de determinado poluente
que o corpo hídrico pode receber, sem comprometer a qualidade da água e seus usos determinados
pela classe de enquadramento;
II - Concentração de Efeito Não Observado-CENO: maior concentração do efluente que
não causa efeito deletério estatisticamente significativo na sobrevivência e reprodução dos organismos,
em um determinado tempo de exposição, nas condições de ensaio;
III - Concentração do Efluente no Corpo Receptor-CECR, expressa em porcentagem:
a) para corpos receptores confinados por calhas (rio, córregos, etc):
1. CECR = [(vazão do efluente) / (vazão do efluente + vazão de referência do corpo
receptor)] x 100.
b) para áreas marinhas, estuarinas e lagos a CECR é estabelecida com base em estudo
da dispersão física do efluente no corpo hídrico receptor, sendo a CECR limitada pela zona de mistura
definida pelo órgão ambiental;
IV - Concentração Letal Mediana-CL50 ou Concentração Efetiva Mediana-CE50: é a
concentração do efluente que causa efeito agudo (letalidade ou imobilidade) a 50% dos organismos,
em determinado período de exposição, nas condições de ensaio;
V - Efluente: é o termo usado para caracterizar os despejos líquidos provenientes de
diversas atividades ou processos;
VI - Emissário submarino: tubulação provida de sistemas difusores destinada ao
lançamento de efluentes no mar, na faixa compreendida entre a linha de base e o limite do mar
territorial brasileiro;
VII - Esgotos sanitários: denominação genérica para despejos líquidos residenciais,
comerciais, águas de infiltração na rede coletora, os quais podem conter parcela de efluentes
industriais e efluentes não domésticos;
VIII - Fator de Toxicidade-FT: número adimensional que expressa a menor diluição do
efluente que não causa efeito deletério agudo aos organismos, num determinado período de exposição,
nas condições de ensaio;
IX - Lançamento direto: quando ocorre a condução direta do efluente ao corpo receptor;
X - Lançamento indireto: quando ocorre a condução do efluente, submetido ou não a
tratamento, por meio de rede coletora que recebe outras contribuições antes de atingir o corpo
receptor;
XI - Nível trófico: posição de um organismo na cadeia trófica;
XII - Parâmetro de qualidade do efluente: substâncias ou outros indicadores
representativos dos contaminantes toxicologicamente e ambientalmente relevantes do efluente;
XIII - Testes de ecotoxicidade: métodos utilizados para detectar e avaliar a capacidade
de um agente tóxico provocar efeito nocivo, utilizando bioindicadores dos grandes grupos de uma
cadeia ecológica; e
XIV - Zona de mistura: região do corpo receptor, estimada com base em modelos
teóricos aceitos pelo órgão ambiental competente, que se estende do ponto de lançamento do efluente,
e delimitada pela superfície em que é atingido o equilíbrio de mistura entre os parâmetros físicos e
químicos, bem como o equilíbrio biológico do efluente e os do corpo receptor, sendo específica para
cada parâmetro.
CAPÍTULO II
DAS CONDIÇÕES E PADRÕES DE LANÇAMENTO DE EFLUENTES
Seção I
Das Disposições Gerais
Art. 5o Os efluentes não poderão conferir ao corpo receptor características de qualidade
em desacordo com as metas obrigatórias progressivas, intermediárias e final, do seu enquadramento.
§ 1o As metas obrigatórias para corpos receptores serão estabelecidas por parâmetros
específicos.
§ 2o Para os parâmetros não incluídos nas metas obrigatórias e na ausência de metas
intermediárias progressivas, os padrões de qualidade a serem obedecidos no corpo receptor são os que
constam na classe na qual o corpo receptor estiver enquadrado.
Art. 6o Excepcionalmente e em caráter temporário, o órgão ambiental competente
poderá, mediante análise técnica fundamentada, autorizar o lançamento de efluentes em desacordo
com as condições e padrões estabelecidos nesta Resolução, desde que observados os seguintes
requisitos:
I - comprovação de relevante interesse público, devidamente motivado;
II - atendimento ao enquadramento do corpo receptor e às metas intermediárias e finais,
progressivas e obrigatórias;
III - realização de estudo ambiental tecnicamente adequado, às expensas do
empreendedor responsável pelo lançamento;
IV - estabelecimento de tratamento e exigências para este lançamento;
V - fixação de prazo máximo para o lançamento, prorrogável a critério do órgão
ambiental competente, enquanto durar a situação que justificou a excepcionalidade aos limites
estabelecidos nesta norma; e
VI - estabelecimento de medidas que visem neutralizar os eventuais efeitos do
lançamento excepcional.
Art. 7o O órgão ambiental competente deverá, por meio de norma específica ou no
licenciamento da atividade ou empreendimento, estabelecer a carga poluidora máxima para o
lançamento de substâncias passíveis de estarem presentes ou serem formadas nos processos
produtivos, listadas ou não no art. 16 desta Resolução, de modo a não comprometer as metas
progressivas obrigatórias, intermediárias e final, estabelecidas para enquadramento do corpo receptor.
§ 1o O órgão ambiental competente poderá exigir, nos processos de licenciamento ou de
sua renovação, a apresentação de estudo de capacidade de suporte do corpo receptor.
§ 2o O estudo de capacidade de suporte deve considerar, no mínimo, a diferença entre os
padrões estabelecidos pela classe e as concentrações existentes no trecho desde a montante, estimando
a concentração após a zona de mistura.
§ 3o O empreendedor, no processo de licenciamento, informará ao órgão ambiental as
substâncias que poderão estar contidas no efluente gerado, entre aquelas listadas ou não na Resolução
CONAMA no 357, de 2005 para padrões de qualidade de água, sob pena de suspensão ou
cancelamento da licença expedida.
§ 4o O disposto no § 3o não se aplica aos casos em que o empreendedor comprove que
não dispunha de condições de saber da existência de uma ou mais substâncias nos efluentes gerados
pelos empreendimentos ou atividades.
Art. 8o É vedado, nos efluentes, o lançamento dos Poluentes Orgânicos Persistentes-
POPs, observada a legislação em vigor.
Parágrafo único. Nos processos nos quais possam ocorrer a formação de dioxinas e
furanos deverá ser utilizada a tecnologia adequada para a sua redução, até a completa eliminação.
Art. 9o No controle das condições de lançamento, é vedada, para fins de diluição antes
do seu lançamento, a mistura de efluentes com águas de melhor qualidade, tais como as águas de
abastecimento, do mar e de sistemas abertos de refrigeração sem recirculação.
Art. 10. Na hipótese de fonte de poluição geradora de diferentes efluentes ou
lançamentos individualizados, os limites constantes desta Resolução aplicar-se-ão a cada um deles ou
ao conjunto após a mistura, a critério do órgão ambiental competente.
Art. 11. Nas águas de classe especial é vedado o lançamento de efluentes ou disposição
de resíduos domésticos, agropecuários, de aquicultura, industriais e de quaisquer outras fontes
poluentes, mesmo que tratados.
Art. 12. O lançamento de efluentes em corpos de água, com exceção daqueles
enquadrados na classe especial, não poderá exceder as condições e padrões de qualidade de água
estabelecidos para as respectivas classes, nas condições da vazão de referência ou volume disponível,
além de atender outras exigências aplicáveis.
Parágrafo único. Nos corpos de água em processo de recuperação, o lançamento de
efluentes observará as metas obrigatórias progressivas, intermediárias e final.
Art. 13. Na zona de mistura serão admitidas concentrações de substâncias em desacordo
com os padrões de qualidade estabelecidos para o corpo receptor, desde que não comprometam os usos
previstos para o mesmo.
Parágrafo único. A extensão e as concentrações de substâncias na zona de mistura
deverão ser objeto de estudo, quando determinado pelo órgão ambiental competente, às expensas do
empreendedor responsável pelo lançamento.
Art. 14. Sem prejuízo do disposto no inciso I do parágrafo único do art. 3o desta
Resolução, o órgão ambiental competente poderá, quando a vazão do corpo receptor estiver abaixo da
vazão de referência, estabelecer restrições e medidas adicionais, de caráter excepcional e temporário,
aos lançamentos de efluentes que possam, dentre outras consequências:
I - acarretar efeitos tóxicos agudos ou crônicos em organismos aquáticos; ou
II - inviabilizar o abastecimento das populações.
Art. 15. Para o lançamento de efluentes tratados em leito seco de corpos receptores
intermitentes, o órgão ambiental competente poderá definir condições especiais, ouvido o órgão gestor
de recursos hídricos.
Seção II
Das Condições e Padrões de Lançamento de Efluentes
Art. 16. Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados
diretamente no corpo receptor desde que obedeçam as condições e padrões previstos neste artigo,
resguardadas outras exigências cabíveis:
I - condições de lançamento de efluentes:
a) pH entre 5 a 9;
b) temperatura: inferior a 40°C, sendo que a variação de temperatura do corpo receptor
não deverá exceder a 3°C no limite da zona de mistura;
c) materiais sedimentáveis: até 1 mL/L em teste de 1 hora em cone Inmhoff. Para o
lançamento em lagos e lagoas, cuja velocidade de circulação seja praticamente nula, os materiais
sedimentáveis deverão estar virtualmente ausentes;
d) regime de lançamento com vazão máxima de até 1,5 vez a vazão média do período
de atividade diária do agente poluidor, exceto nos casos permitidos pela autoridade competente;
e) óleos e graxas:
1. óleos minerais: até 20 mg/L;
2. óleos vegetais e gorduras animais: até 50 mg/L;
f) ausência de materiais flutuantes; e
g) Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO 5 dias a 20°C): remoção mínima de 60%
de DBO sendo que este limite só poderá ser reduzido no caso de existência de estudo de
autodepuração do corpo hídrico que comprove atendimento às metas do enquadramento do corpo
receptor;
II - Padrões de lançamento de efluentes:
TABELA I
Parâmetros inorgânicos Valores máximos
Arsênio total 0,5 mg/L As
Bário total 5,0 mg/L Ba
Boro total (Não se aplica para o lançamento em águas salinas) 5,0 mg/L B
Cádmio total 0,2 mg/L Cd
Chumbo total 0,5 mg/L Pb
Cianeto total 1,0 mg/L CN
Cianeto livre (destilável por ácidos fracos) 0,2 mg/L CN
Cobre dissolvido 1,0 mg/L Cu
Cromo hexavalente 0,1 mg/L Cr+6
Cromo trivalente 1,0 mg/L Cr+3
Estanho total 4,0 mg/L Sn
Ferro dissolvido 15,0 mg/L Fe
Fluoreto total 10,0 mg/L F
Manganês dissolvido 1,0 mg/L Mn
Mercúrio total 0,01 mg/L Hg
Níquel total 2,0 mg/L Ni
Nitrogênio amoniacal total 20,0 mg/L N
Prata total 0,1 mg/L Ag
Selênio total 0,30 mg/L Se
Sulfeto 1,0 mg/L S
Zinco total 5,0 mg/L Zn
Parâmetros Orgânicos Valores máximos
Benzeno 1,2 mg/L
Clorofórmio 1,0 mg/L
Dicloroeteno (somatório de 1,1 + 1,2cis + 1,2 trans) 1,0 mg/L
Estireno 0,07 mg/L
Etilbenzeno 0,84 mg/L
fenóis totais (substâncias que reagem com 4-aminoantipirina) 0,5 mg/L C6H5OH
Tetracloreto de carbono 1,0 mg/L
Tricloroeteno 1,0 mg/L
Tolueno 1,2 mg/L
Xileno 1,6 mg/L
§ 1o Os efluentes oriundos de sistemas de disposição final de resíduos sólidos de
qualquer origem devem atender às condições e padrões definidos neste artigo.
§ 2o Os efluentes oriundos de sistemas de tratamento de esgotos sanitários devem
atender às condições e padrões específicos definidos na Seção III desta Resolução.
§ 3o Os efluentes oriundos de serviços de saúde estarão sujeitos às exigências
estabelecidas na Seção III desta Resolução, desde que atendidas as normas sanitárias específicas
vigentes, podendo:
I - ser lançados em rede coletora de esgotos sanitários conectada a estação de
tratamento, atendendo às normas e diretrizes da operadora do sistema de coleta e tratamento de esgoto
sanitários; e
II - ser lançados diretamente após tratamento especial.
Art. 17. O órgão ambiental competente poderá definir padrões específicos para o
parâmetro fósforo no caso de lançamento de efluentes em corpos receptores com registro histórico de
floração de cianobactérias, em trechos onde ocorra a captação para abastecimento público.
Art. 18. O efluente não deverá causar ou possuir potencial para causar efeitos tóxicos
aos organismos aquáticos no corpo receptor, de acordo com os critérios de ecotoxicidade estabelecidos
pelo órgão ambiental competente.
§ 1o Os critérios de ecotoxicidade previstos no caput deste artigo devem se basear em
resultados de ensaios ecotoxicológicos aceitos pelo órgão ambiental, realizados no efluente, utilizando
organismos aquáticos de pelo menos dois níveis tróficos diferentes.
§ 2o Cabe ao órgão ambiental competente a especificação das vazões de referência do
efluente e do corpo receptor a serem consideradas no cálculo da Concentração do Efluente no Corpo
Receptor-CECR, além dos organismos e dos métodos de ensaio a serem utilizados, bem como a
frequência de eventual monitoramento.
§ 3o Na ausência de critérios de ecotoxicidade estabelecidos pelo órgão ambiental para
avaliar o efeito tóxico do efluente no corpo receptor, as seguintes diretrizes devem ser obedecidas:
I - para efluentes lançados em corpos receptores de água doce Classes 1 e 2, e águas
salinas e salobras Classe 1, a Concentração do Efluente no Corpo Receptor-CECR deve ser menor ou
igual à Concentração de Efeito Não Observado-CENO de pelo menos dois níveis tróficos, ou seja:
a) CECR deve ser menor ou igual a CENO quando for realizado teste de ecotoxicidade
para medir o efeito tóxico crônico; ou
b) CECR deve ser menor ou igual ao valor da Concentração Letal Mediana (CL50)
dividida por 10; ou menor ou igual a 30 dividido pelo Fator de Toxicidade (FT) quando for realizado
teste de ecotoxicidade para medir o efeito tóxico agudo;
II - para efluentes lançados em corpos receptores de água doce Classe 3, e águas salinas
e salobras Classe 2, a Concentração do Efluente no Corpo Receptor-CECR deve ser menor ou igual à
concentração que não causa efeito agudo aos organismos aquáticos de pelo menos dois níveis tróficos,
ou seja:
a) CECR deve ser menor ou igual ao valor da Concentração Letal Mediana-CL50
dividida por 3 ou menor ou igual a 100 dividido pelo Fator de Toxicidade-FT, quando for realizado
teste de ecotoxicidade aguda.
§ 4o A critério do órgão ambiental, com base na avaliação dos resultados de série
histórica, poderá ser reduzido o número de níveis tróficos utilizados para os testes de ecotoxicidade,
para fins de monitoramento.
§ 5o Nos corpos de água em que as condições e padrões de qualidade previstos na
Resolução nº 357, de 2005, não incluam restrições de toxicidade a organismos aquáticos não se
aplicam os parágrafos anteriores.
Art. 19. O órgão ambiental competente deverá determinar quais empreendimentos e
atividades deverão realizar os ensaios de ecotoxicidade, considerando as características dos efluentes
gerados e do corpo receptor.
Art. 20. O lançamento de efluentes efetuado por meio de emissários submarinos deve
atender, após tratamento, aos padrões e condições de lançamento previstas nesta Resolução, aos
padrões da classe do corpo receptor, após o limite da zona de mistura, e ao padrão de balneabilidade,
de acordo com normas e legislação vigentes.
Parágrafo único. A disposição de efluentes por emissário submarino em desacordo com
as condições e padrões de lançamento estabelecidos nesta Resolução poderá ser autorizada pelo órgão
ambiental competente, conforme previsto nos incisos III e IV do art. 6o, sendo que o estudo ambiental
definido no inciso III deverá conter no mínimo:
I - As condições e padrões específicos na entrada do emissário;
II - O estudo de dispersão na zona de mistura, com dois cenários:
a) primeiro cenário: atendimento aos valores preconizados na Tabela I desta Resolução;
b) segundo cenário: condições e padrões propostos pelo empreendedor; e
III - Programa de monitoramento ambiental.
Seção III
Das Condições e Padrões para Efluentes de Sistemas de Tratamento de Esgotos Sanitários
Art. 21. Para o lançamento direto de efluentes oriundos de sistemas de tratamento de
esgotos sanitários deverão ser obedecidas as seguintes condições e padrões específicos:
I - Condições de lançamento de efluentes:
a) pH entre 5 e 9;
b) temperatura: inferior a 40°C, sendo que a variação de temperatura do corpo receptor
não deverá exceder a 3°C no limite da zona de mistura;
c) materiais sedimentáveis: até 1 mL/L em teste de 1 hora em cone Inmhoff. Para o
lançamento em lagos e lagoas, cuja velocidade de circulação seja praticamente nula, os materiais
sedimentáveis deverão estar virtualmente ausentes;
d) Demanda Bioquímica de Oxigênio-DBO 5 dias, 20°C: máximo de 120 mg/L, sendo
que este limite somente poderá ser ultrapassado no caso de efluente de sistema de tratamento com
eficiência de remoção mínima de 60% de DBO, ou mediante estudo de autodepuração do corpo
hídrico que comprove atendimento às metas do enquadramento do corpo receptor.
e) substâncias solúveis em hexano (óleos e graxas) até 100 mg/L; e
f) ausência de materiais flutuantes.
§ 1o As condições e padrões de lançamento relacionados na Seção II, art. 16, incisos I e
II desta Resolução, poderão ser aplicáveis aos sistemas de tratamento de esgotos sanitários, a critério
do órgão ambiental competente, em função das características locais, não sendo exigível o padrão de
nitrogênio amoniacal total.
§ 2o No caso de sistemas de tratamento de esgotos sanitários que recebam lixiviados de
aterros sanitários, o órgão ambiental competente deverá indicar quais os parâmetros da Tabela I do art.
16, inciso II desta Resolução que deverão ser atendidos e monitorados, não sendo exigível o padrão de
nitrogênio amoniacal total.
§ 3o Para a determinação da eficiência de remoção de carga poluidora em termos de
DBO5,20 para sistemas de tratamento com lagoas de estabilização, a amostra do efluente deverá ser
filtrada.
Art. 22. O lançamento de esgotos sanitários por meio de emissários submarinos deve
atender aos padrões da classe do corpo receptor, após o limite da zona de mistura e ao padrão de
balneabilidade, de acordo com as normas e legislação vigentes.
Parágrafo único. Este lançamento deve ser precedido de tratamento que garanta o
atendimento das seguintes condições e padrões específicos, sem prejuízo de outras exigências
cabíveis:
I - pH entre 5 e 9;
II - temperatura: inferior a 40ºC, sendo que a variação de temperatura do corpo receptor
não deverá exceder a 3ºC no limite da zona de mistura;
III - após desarenação;
IV - sólidos grosseiros e materiais flutuantes: virtualmente ausentes; e
V - sólidos em suspensão totais: eficiência mínima de remoção de 20%, após
desarenação.
Art. 23. Os efluentes de sistemas de tratamento de esgotos sanitários poderão ser objeto
de teste de ecotoxicidade no caso de interferência de efluentes com características potencialmente
tóxicas ao corpo receptor, a critério do órgão ambiental competente.
§ 1o Os testes de ecotoxicidade em efluentes de sistemas de tratamento de esgotos
sanitários têm como objetivo subsidiar ações de gestão da bacia contribuinte aos referidos sistemas,
indicando a necessidade de controle nas fontes geradoras de efluentes com características
potencialmente tóxicas ao corpo receptor.
§ 2o As ações de gestão serão compartilhadas entre as empresas de saneamento, as
fontes geradoras e o órgão ambiental competente, a partir da avaliação criteriosa dos resultados
obtidos no monitoramento.
CAPÍTULO III
DIRETRIZES PARA GESTÃO DE EFLUENTES
Art. 24. Os responsáveis pelas fontes poluidoras dos recursos hídricos deverão realizar
o automonitoramento para controle e acompanhamento periódico dos efluentes lançados nos corpos
receptores, com base em amostragem representativa dos mesmos.
§ 1o O órgão ambiental competente poderá estabelecer critérios e procedimentos para a
execução e averiguação do automonitoramento de efluentes e avaliação da qualidade do corpo
receptor.
§ 2o Para fontes de baixo potencial poluidor, assim definidas pelo órgão ambiental
competente, poderá ser dispensado o automonitoramento, mediante fundamentação técnica.
Art. 25. As coletas de amostras e as análises de efluentes líquidos e em corpos hídricos
devem ser realizadas de acordo com as normas específicas, sob responsabilidade de profissional
legalmente habilitado.
Art. 26. Os ensaios deverão ser realizados por laboratórios acreditados pelo Instituto
Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial-INMETRO ou por outro organismo
signatário do mesmo acordo de cooperação mútua do qual o INMETRO faça parte ou em laboratórios
aceitos pelo órgão ambiental competente.
§ 1o Os laboratórios deverão ter sistema de controle de qualidade analítica
implementado.
§ 2o Os laudos analíticos referentes a ensaios laboratoriais de efluentes e de corpos
receptores devem ser assinados por profissional legalmente habilitado.
Art. 27. As fontes potencial ou efetivamente poluidoras dos recursos hídricos deverão
buscar práticas de gestão de efluentes com vistas ao uso eficiente da água, à aplicação de técnicas para
redução da geração e melhoria da qualidade de efluentes gerados e, sempre que possível e adequado,
proceder à reutilização.
Parágrafo único. No caso de efluentes cuja vazão original for reduzida pela prática de
reuso, ocasionando aumento de concentração de substâncias presentes no efluente para valores em
desacordo com as condições e padrões de lançamento estabelecidos na Tabela I do art. 16, desta
Resolução, o órgão ambiental competente poderá estabelecer condições e padrões específicos de
lançamento, conforme previsto nos incisos II, III e IV do art. 6o, desta Resolução.
Art. 28. O responsável por fonte potencial ou efetivamente poluidora dos recursos
hídricos deve apresentar ao órgão ambiental competente, até o dia 31 de março de cada ano,
Declaração de Carga Poluidora, referente ao ano anterior.
§ 1o A Declaração referida no caput deste artigo conterá, entre outros dados, a
caracterização qualitativa e quantitativa dos efluentes, baseada em amostragem representativa dos
mesmos.
§ 2o O órgão ambiental competente poderá definir critérios e informações adicionais
para a complementação e apresentação da declaração mencionada no caput deste artigo, inclusive
dispensando-a, se for o caso, para as fontes de baixo potencial poluidor.
§ 3o Os relatórios, laudos e estudos que fundamentam a Declaração de Carga Poluidora
deverão ser mantidos em arquivo no empreendimento ou atividade, bem como uma cópia impressa da
declaração anual subscrita pelo administrador principal e pelo responsável legalmente habilitado,
acompanhada da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica, os quais deverão ficar à
disposição das autoridades de fiscalização ambiental.
CAPÍTULO IV
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 29. Aos empreendimentos e demais atividades poluidoras que, na data da
publicação desta Resolução, contarem com licença ambiental expedida, poderá ser concedido, a
critério do órgão ambiental competente, prazo de até três anos, contados a partir da publicação da
presente Resolução, para se adequarem às condições e padrões novos ou mais rigorosos estabelecidos
nesta norma.
§ 1o O empreendedor apresentará ao órgão ambiental competente o cronograma das
medidas necessárias ao cumprimento do disposto no caput deste artigo.
§ 2o O prazo previsto no caput deste artigo poderá ser prorrogado por igual período,
desde que tecnicamente motivado.
§ 3o As instalações de tratamento de efluentes existentes deverão ser mantidas em
operação com a capacidade, condições de funcionamento e demais características para as quais foram
aprovadas, até que se cumpram às disposições desta Resolução.
Art. 30. O não cumprimento do disposto nesta Resolução sujeitará os infratores, entre
outras, às sanções previstas na Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e em seu regulamento.
Art. 31. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 32. Revogam-se o inciso XXXVIII do art. 2o, os arts. 24 a 37 e os arts. 39, 43, 44 e
46, da Resolução CONAMA no 357, de 2005.
IZABELLA TEIXEIRA
Presidente do Conselho
ESSE TEXTO NÃO SUBSTITUI O PUBLICADO
NO DOU N° 92, EM 16/05/2011, pág. 89

2 comentários:

Savinho - Truta (Oficial) disse...

parabéns pelo blog.
continua assim..
fazendo esse trabalho
abçs

Manoel Trajano - www.twitter.com/manoeltrajano disse...

Obrigado Savinho pelo comentário motivador e pela visita a este humilde espaço.Abraço!