quarta-feira, 23 de junho de 2010

Chega hoje a Januária o projeto itinerante da SOS Mata Atlântica


quarta-feira, 16 de junho de 2010


 

Caminhão adaptado estaciona na Praça Getúlio Vargas, no centro da cidade, durante cinco dias para realizar atividades gratuitas com a população.

 
Entre 17 e 20 de junho, chega à cidade de Januária o projeto "A Mata Atlântica é aqui – exposição itinerante do cidadão atuante", da Fundação SOS Mata Atlântica.  Trata-se de um caminhão, totalmente adaptado pela ONG, que viaja por diversas cidades brasileiras com o objetivo de levar educação e conscientização ambiental para diversos lugares onde ocorre a Mata Atlântica. Para isso, a equipe do projeto itinerante realizará com a população local atividades gratuitas e destinadas ao público de todas as idades. Entre elas, destacam-se palestras, monitoramentos da qualidade de água do Rio São Francisco, oficinas, jogos educativos, distribuição de mudas, exibições de vídeos, maquetes interativas e outras. O horário de funcionamento do projeto no dia 17/06 é das 11h às 16h, de 18 a 20/06 das 10h às 16h. Esta é a segunda passagem do projeto pelo estado de Minas Gerais. Na primeira, em março desde ano, foram visitadas as cidades de Caratinga, Belo Horizonte e Juiz de Fora. Após Januária, o caminhão passará ainda, nas semanas seguintes, por Montes Claros e Teófilo Otoni.
 
Mais de 170 mil pessoas já visitaram o projeto, que percorreu 11 mil quilômetros de viagem e terá suas emissões compensadas por plantios realizados pelo Programa Florestas do Futuro. A visita à cidade de Januária pretende conscientizar a população quanto à importância de ações para a conservação ambiental. A iniciativa tem o patrocínio de Bradesco Cartões, Natura e Volkswagen Caminhões & Ônibus e apoio local da Prefeitura Municipal de Januária e do Instituto Estadual de Florestas (IEF). "Mostraremos a importância do Bioma mais ameaçado do País, que um dia cobriu 1,3 milhão de km2 de terras brasileiras, mas hoje restaram apenas 7% desse total. Por isso, a população precisa fazer sua parte para reverter o desmatamento dos remanescentes, e não só da Mata Atlântica, mas de todos os biomas brasileiros", explica Camila Plaça, coordenadora da exposição itinerante. "A cidade de Januária já teve mais de 180 mil hectares de Mata Atlântica, porém, hoje, restam pouco mais de 11 mil. E nos últimos dois anos, foram desmatados 11 hectares na cidade, mostrando que o desmatamento ainda ocorre", completa.
 
Algumas atrações que acontecem em Januária têm horário marcado, como a solenidade de abertura, realizada no primeiro dia (17/06), às 11h, e a coleta de água para análise de qualidade do Rio São Francisco, que também será realizada no primeiro dia, porém às 16h. No segundo dia de evento, também às 11h, quem quiser poderá participar das oficinas de desenhos de animais da Mata Atlântica.
 
O projeto conta também com atividades que podem ser realizadas a qualquer momento, variando apenas de acordo com a faixa etária dos grupos que o visitam, como o jogo da cidadania, um tabuleiro gigante onde os participantes atuam como os pinos do tabuleiro e que ensina os visitantes como respeitar o meio ambiente; o jogo da memória, com espécies da fauna e da flora pertencentes ao Bioma Mata Atlântica; e também a maquete dinâmica e interativa, que mostra as diferenças entre dois territórios: um protegido pela Mata Atlântica e outro com uma área desmatada. Fazendo chover de verdade em cima da maquete, os educadores ambientais do projeto mostram também a importância das matas ciliares, a maneira como os lençóis freáticos são formados, como podem ser causados os deslizamentos de terra e as inundações, além de salientar como os rios assoreados interferem no cotidiano das cidades.
 
A iniciativa pretende reforçar que a conservação do meio ambiente contribui não só para a qualidade de vida, como também para a economia local. A água tratada de forma correta exige menor quantidade de produtos químicos para filtrá-la. O lixo eliminado de forma adequada facilita a reciclagem e possibilita menor extração de matéria prima da natureza. A diminuição de áreas preservadas pode agravar catástrofes naturais como deslizamentos de terra e alagamentos, principalmente em territórios próximos às áreas urbanas, além de poder causar danos à população local. "Por isso, a ideia de levar educação ambiental às várias áreas do território brasileiro é tão importante. O desmatamento não ocorre apenas em metrópoles", destaca Anderson Palmeira, biólogo e educador ambiental do projeto. "Assim, é dever da população local cuidar do ambiente onde vive, jogar lixo no local adequado, economizar água e energia elétrica, tomar cuidado ao mexer com fogo, e, desta forma, contribuir com a cidade e com o planeta", finaliza.
 
Escolas e grupos interessados podem realizar visitas monitoradas ao projeto. Além disso, quem tiver interesse em se tornar um voluntário também pode participar. Em caso de dúvidas, agendamento de visitas monitoradas ou inscrição para participação voluntária, é preciso entrar em contato pelo email itinerante@sosma.org.br ou pelo telefone (11) 3055-7886. Mais informações pelo site www.sosma.org.br.
 
Monitoramento da qualidade da água
A Fundação SOS Mata Atlântica sempre seleciona um rio, córrego ou lago em cada uma das cidades por onde passa o projeto e realiza uma coleta de água usando um kit de monitoramento. Desenvolvido pelo programa Rede das Águas da própria ONG, o kit possibilita uma análise que engloba 14 parâmetros físico-químicos, como transparência da água, lixo, odor, oxigênio dissolvido, demanda bioquímica de oxigênio, entre outras. Em Januária, a coleta será feita no Rio São Francisco, no ponto mais próximo e acessível de onde o projeto estiver estacionado. Após uma análise detalhada, o resultado será divulgado no final da estadia do projeto na cidade. "O monitoramento da qualidade da água possibilita que as pessoas vejam a real situação do território onde vivem. A população pode e deve ajudar na conservação das águas, gerando menos lixo e separando corretamente os gerados, também, cobrando e apontando erros para autoridades locais", explica Anderson Palmeira.
 
Sobre a Fundação SOS Mata Atlântica
Criada em 1986, a Fundação SOS Mata Atlântica é uma entidade privada sem fins lucrativos, que tem como missão promover a conservação da diversidade biológica e cultural do Bioma Mata Atlântica e ecossistemas sob sua influência, estimulando ações para o desenvolvimento sustentável, bem como promover a educação e o conhecimento sobre a Mata Atlântica, mobilizando, capacitando e estimulando o exercício da cidadania socioambiental. A entidade desenvolve projetos de conservação ambiental, produção de dados, mapeamento e monitoramento da cobertura florestal do Bioma, campanhas, estratégias de ação na área de políticas públicas, programas de educação ambiental e restauração florestal, voluntariado, desenvolvimento sustentável e proteção e manejo de ecossistemas. Para outras informações, acesse www.sosma.org.br.
 
Sobre o Bioma Mata Atlântica
Dentro do território brasileiro existem seis diferentes Biomas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pampas, Pantanal e a Mata Atlântica. O Bioma Mata Atlântica está presente em 17 estados e abriga mais de 61% da população. Atualmente, mais de 90% da floresta original foi desmatada, restando apenas 7,91% de remanescentes do Bioma. É um ponto importante para conservação mundial, ou seja, um Hotspot, uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas do planeta e também decretada Reserva da Biosfera pela Unesco e Patrimônio Nacional, na Constituição Federal de 1988. Das 633 espécies de animais ameaçadas de extinção de todos os Biomas do Brasil, 383 ocorrem na Mata Atlântica.
 
Cronograma de Atividades
 
Realização: Fundação SOS Mata Atlântica.
Patrocinadores: Bradesco Cartões, Natura e Volkswagen Caminhões & Ônibus.
Cidade: Januária (MG) - Data: de 16 a 20 de junho de 2010.
Local: Praça Getulio Vargas, Centro.
Informações: www.sosma.org.br / itinerante@sosma.org.br Telefone: (11) 3055.7886
Apoio local: Prefeitura Municipal de Januária e Instituto Estadual de Florestas – IEF.
 
17 de junho (quarta) – Praça Getulio Vargas
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 11h às 16h
11h – Solenidade de Abertura.
14h – Cinemata: Exibição de vídeos com temas socioambientais.
16h – Coleta de água do Rio São Francisco para análise.
 
18 de junho (sexta) – Praça Getulio Vargas
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 16h
11h – Oficina de desenhos de animais da Mata Atlântica.
14h – Jogos educativos: jogo da memória e jogo da cidadania.

19 de junho (sábado) – Praça Getulio Vargas
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 16h
11h – Roda das sensações.
16h – Jogos educativos: jogo da memória e jogo da cidadania.

20 de junho (dom) – Praça Getulio Vargas
Atividades abertas ao público durante todo o tempo - das 10h às 16h
11h – Cinemata: Exibição de vídeos com temas socioambientais.
16h – Encerramento das atividades.
 

Nenhum comentário: