quinta-feira, 1 de abril de 2010

TERRA AMBIENTAL informa ENERGIA NUCLEAR - Caetité-BA





Faça a sua parte!!!!
e envie uma mensagem ao presidente da Comissão nacional de Energia Nuclear e do Conselho de Administração da Industrias Nucleares do Brasil.


 
Leia a mensagem:

Prezado Senhor

A INB opera a mina de urânio de Caetité há anos e, apesar de garantir que faz análises periódicas da água em poços do município, a empresa sempre insistiu que ela nunca detectou qualquer grau de radiotividade nocivo à saúde humana nos pontos analisados.   

Depois da denúncia de contaminação radioativa em poços no entorno da mina feita pelo Greenpeace em 2008, e que estudos independentes, dentre eles do Instituto de Gestão de Águas da Bahia – Ingá, registraram a presença da contaminação em níveis considerados nocivos à saúde humana, a estatal mudou o discurso. Passou a dizer que a extração de minério não tem nada a ver com essa contaminação e que a radioatividade encontrada na água que serve a centenas de famílias em Caetité é fruto do alto teor de urânio presente no solo da região. Em outras palavras, a INB deu uma de Pôncio Pilatos e lavou as mãos.

O ônus de provar que sua mineração de urânio não é a causa do problema permanece no colo da INB. A empresa é uma estatal financiada à custa do contribuinte. É, portanto, inconcebível que ela continue a tratar com tamanho desleixo a saúde de quem lhe paga as contas.

Como a principal especialista em questões de urânio em Caetité, mesmo que a INB consiga provar sua inocência na contaminação, isso não a exime da responsabilidade de orientar as autoridades e população locais sobre a necessidade de evitar o consumo da água contaminada.  

Mas a empresa nunca se pronunciou sobre o assunto  – a não ser para dizer que o problema não é seu. E nenhuma família jamais foi orientada de forma oficial sobre o caso. 

Já é mais do que hora de o senhor, como presidente do Conselho Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e do Conselho de Administração da INB, fazer a empresa abandonar essa postura arrogante e pouco transparente e forçá-la a agir para evitar que a população de Caetité continue a ser exposta à níveis intoleráveis de radiação, o que implica em garantir o abastecimento de água para a cidade e o estudo independente e transparente sobre a origem da contaminação.

Enviado por Almiro Leal/BA

 

 

Visite http://terraambiental.blogspot.com TERRA AMBIENTAL Rede CEIA

Nenhum comentário: