sábado, 9 de janeiro de 2010

POLUIÇÃO SONORA: TEMOS QUE NOS UNIR CONTRA ELA!

Meus parabens a Prefeitura de Salvador,que pela primeira vez vi pela mída uma ação real e exemplar através da SUCOM,apesar da ignorância da população que apóia o que é errado e agride que lhes defende,veja porque no artigo abaixo:




Por Manoel Trajano


Salvador é considerada uma das cidades mais barulhentas do mundo e está como a Terceira da América Latina segundo a OMS - Organização Mundial de Saúde.

É sabido a nossa riqueza cultural,étnica,musical e criativa que impera e está no ar que respiramos,mas isso não pode se tornar um desrespeito ao outro,ao direito ao descanso e ao gosto musical alheio. Equipamentos de som "turbinados","envenenados" que desrespeitam e fogem do bomsenso,principalmente nos horários de descanso do cidadão em áreas residenciais,por puro exibicionismo perante a mulherada(pois isso é tipicamente ação dos homens para impressiona-las tais quais o macho se exibe a uma femea quando quer acasalar) nas portas de bares e restaurantes.

Os limites de silêncio a noite nos seus 45 dB são totalmente ignorados e a depender da área se tolera até 70 db(quase o aceitável numa jornada de trabalho diária,80 db,para 8 h,conforme NR-15 no MTB). Trios Elétricos tem seus limites aceitos em 108 dB pela Superintendencia de Controle,Ordenamento do Uso do Solo do Municipio - SUCOM em Salvador,mas o que se vê na prática é Trios das "grandes estrelas" desfilarem com mais de 120,ensurdecendo aqueles foliões alcoolizados que não tem noção do perigo a que estão expostos. Isso vale para shows,principalmente agora no verão no Brasil,na Bahia,em Salvador...

Poluição Sonora é assunto de Meio Ambiente,Saúde e Segurança da Vida,pois pode levar a danos a atmosfera que vivemos,perturbações moleculares de toda ordem e desequilibrio de cadeias alimentares assim como disturbios auditivos,psíquicos e até mesmo emocionais. A diversão pode se tornar motivo de pesadelo diante de uma exposição constante e intermitente. Os jovens principalmente não tem noção do perigo a que estão expostos! Começa na mania descontrolada de uso de fones de ouvido,agora mais com pendrives,telefones celulares,i-pods,mp11,etc.

Mais do que tudo isso o uso e abuso do som alto passa pela mais nobre Declaração do Homem,que é a dos Direitos Universais,conquistada às custas de muito sangue e sofrimento."O meu direito começa quando o seu termina" e vice versa! Ignoramos o outro,não queremos saber se tem alguem dormindo para acordar cedo,se tem alguem morrendo de dor de cabeça,se tem alguem que é obrigado a ouvir pagode quando detesta isso e quer tentar ouvir música clássica,enfim pregamos tanto a liberdade de expressão e ignoramos o nosso semelhante que não conhecemos,mas se fosse seu pai,sua mãe,seu filho,seu irmão,respeitaria?Ah é diferente né?

O pior é a verdade que o povo não sabe,ou sabe e ignora! Muitos fiscais,pais de familia,ganhando mal e se expondo às bocadas,a boca quente,tem sido agredidos verbal e fisicamente,tiros e facadas para defender o equilibrio na cidade,o respeito,o cumprimento da lei que é para proteger você cidadão! Salvador não é Barra,Pituba,Rio Vermelho,Graça,Campo Grande que ja sofrem muito com isso! Isso representa 30% da metrópole. Os bairros carentes são maioria e o bicho pega!

Agora eu pergunto: onde estão os artistas de ponta da axé muisc,do pagode,do samba nessas horas?Além de curtir o muito que ja ganham,estão fazendo o quê para educar,conscientizar,informar o seu público fiel,que compra seus cd,dvd,vão a seus shows na grande maioria classe média e classe baixa que paga caro para suas condições. Carnaval ta chegando e o que não falta são aqueles arrogantes que são amigos do prefeito,do governador,do deputado,enchem a boca. Quem está la embaixo sabe o que sofre por um pouco de alegria.

De uns tempos para cá têm colocado protetores auriculares em alguns blocos para seus cordeiros e segurança interna,mas uma minoria.A verdade é que quem tá la emcima do trio não tá nem aí para quem ta embaixo.Isso vale para os palcos tambem!Mas isso é uma ilusão,pois segundo a Associação Baiana de Otorrinolaringologia em um Seminário que particpei ha uns anos atrás informou que estatisticamente a maior parte dos músicos que ha anos se expõe em cima dos Trios Elétricos ja possuim sérias perdas auditivas e que uma minoria ja possui pelo menos alguma perda considerável.Imagine quem ta embaixo,mesmo que não fique exposto constantemente pois as vezes rola uma paquerinha,uma bebida pra comprar,um sanitario para liberar o eliminado...

Poluição Sonora está ligada a ciência do Ruído,pouco conhecida e difundida no Brasil e ignorada por muindo e aí surge a PAIR - Perda Auditiva Induzida pelo Ruído que passa por perdas relacionadas a volume audível,zumbidos,estampidos,que é material para outro artigo,mas que passa por avaliações da crescente e bela área de Fonoaudiologia.

É bom se atentar para aqueles que procuram seu primeiro emprego,ou ja estão em algum que sempre e cada vez mais estaremos fazendo exames admissionais,periódicos e demissionais que passarão pela audiometria,a medida do quanto você tá ouvindo. Ah,e não adianta botar a culpa na empresa e tentar levar vantagem porque os competentes profissionais dessas áreas saberão diferenciar sua malandragem do que é externo e aí entra seus excessos nas suas baladas e diversões.

Só para encerrar é lamentável ver as pessoas rumando latas de cerveja e vaiando a fiscalizção que está cumprindo seu dever e protegendo você. Isso aconteceu ontem em Salvador numa ação da SUCOM em que equipamentos de som foram apreendidos para proteger você de sua ignorância,caro cidadão!


















O PROBLEMA É ANTIGO
Em 2005 foi noticiado o seguinte:


Lazer e Curiosidades
13/09/2005
0 comentário(s)

Poluição sonora aumenta em SalvadorSalvador: Donos de bares e de carros figuram na lista dos maiores infratores da Lei do Silêncio; este ano, a Sucom já registrou 27.499 queixas.
13/09/2005


ADILSON FONSÊCA

No último final de semana, 363 queixas contra a poluição sonora foram registradas em Salvador pela Sucom (Superintendência de Controle e Uso do Solo do Município). Este ano, até o momento, são 27.499 queixas, com um aumento de 10% em relação a igual período do ano passado. Por causa da resistência de alguns infratores em cumprir a lei, as blitze da Sucom têm sido realizadas com o apoio das polícias Civil e Militar. As denúncias mais freqüentes são contra donos de bares e de carros particulares adaptados com aparelhos sonoros. O ruído invade noites e madrugadas, nos finais de semana, em bairros da área central e da periferia.

De janeiro até 10 de setembro, das 27.499 queixas contra a poluição sonora registradas na Sucom, 9.248 foram contra bares, 7.169 contra veículos particulares e 3.202 contra residências. Até agora, apenas 1.808 notificações foram expedidas, incluindo aí os proprietários de veículos particulares, e 1.014 infratores foram autuados. As blitze resultaram ainda em 143 apreensões de equipamentos e 50 embargos de estabelecimentos.

Os bares figuram em primeiro lugar nas infrações, seguidos de veículos particulares, residências e igrejas. Na relação dos locais de maior barulho na cidade estão os bairros da Pituba, Brotas, Boca do Rio, Liberdade e Periperi. O volume de queixas, este ano, fez com que a Sucom reforçasse a equipe de 26 fiscais com 21 novos funcionários e requisitasse cada vez mais o apoio das polícias Militar e Civil para realizar as notificações, autuações, embargos e apreensões de equipamentos de som.

DESAFIO " Em alguns casos, nem mesmo a presença da polícia inibe a ação dos infratores, como bem explicou o gerente de fiscalização ambiental da Sucom, Marcos Pimentel. No último final de semana, a festa no Aldeia Beach, na sede de praia do Esporte Clube Vitória, em Armação, não pôde ser interrompida, apesar do flagrante desrespeito à Lei do Silêncio. O local foi autuado, mas não pôde ser embargado e ter os equipamentos de som apreendidos porque não havia policiamento suficiente para garantir a ação dos fiscais, que se sentiram ameaçados.

Agindo em diversos pontos da cidade, os infratores contam a favor com o fato de que só podem ser autuados e notificados em caso de flagrante. Por isso, em muitos casos, fogem antes da chegada dos fiscais da Sucom, gerente de fiscalização ambiental da Sucom diz que a situação em Salvador ainda não fugiu do controle, mas admite que é cada vez mais difícil determinar previamente um local para realizar a fiscalização, porque os infratores, principalmente os que se utilizam de veículos particulares, conseguem escapar do flagrante e, por isso mesmo, não são autuados. A lei só permite a autuação e apreensão dos equipamentos em casos de flagrante.

Moradores reclamam

Na Boca do Rio, a dentista Adriana Dominguez, 34 anos, moradora da Rua Jacaraci, está liderando um abaixo-assinado para ser entregue ao Ministério Público contra a casa de show Espetáculo, que funciona nas dependências da sede de praia do Esporte Clube Bahia. Segundo a dentista, no último final de semana, os shows no local duraram das 13h até 1 da manhã. "A gente não dorme, não trabalha e fica estressada", disse.

A Sucom disse que autuou o estabelecimento e vai suspender os próximos shows porque o local não possui alvará para funcionar com esse tipo de atividade. O mesmo procedimento vai ser adotado com a Aldeia Beach, na Praia de Armação, que tem um show programado para o próximo dia 2, mas que, segundo a Sucom, o evento só será realizado se a casa instalar revestimentos acústicos para evitar que o barulho se propague para a vizinhança.

"Ninguém agüenta mais as festas aqui em Armação nos finais de semana. É um barulho ensurdecedor. Nós, que moramos na Rua João Mendes da Costa Filho e trabalhamos arduamente durante a semana, não temos o sagrado direito ao descanso nos domingos", queixou-se o morador Nelson Santana. O cardiologista Alexander O"Hara, morador da Rua Desembargador Manoel Pereira, no Costa Azul, que também se queixa dos problemas causados pela poluição sonora, diz que a exposição contínua ao barulho causa danos ao organismo, como a diminuição da resistência imunológica, o aumento dos riscos de enfarte e de infecções e o aumento dos distúrbios emocionais.

Câmeras inibem os infratores

O Posto Namorado, na Pituba, foi durante anos o local escolhido como cenário de verdadeiros duelos entre carros com equipamentos de som de alta potência. De tanto receber queixas dos moradores vizinhos, a administração do estabelecimento resolveu cumprir à risca a Lei do Silêncio e não mais permite que os proprietários dos carros abram o volume.

A gerente do posto de combustíveis, Carmem Pedreira, providenciou a instalação de câmeras no estacionamento para flagrar os condutores de veículos que desobedecerem à determinação. "Eles têm olheiros e se escondem quando vêem a chegada dos fiscais ou da polícia", diz.

As câmeras registram as placas dos veículos infratores. O filme é depois enviado para a polícia e para a Sucom, como prova material da infração. A medida resultou na diminuição da clientela, mas a gerente do posto diz que a qualidade no atendimento ao público melhorou. Na Avenida Tancredo Neves, o único posto de gasolina também resolveu adotar a proibição e não mais permite os veículos sonorizados estacionados no local.

A mesma ação adotou a administração do Empório Arvoredo, na Avenida Jorge Amado, na Boca do Rio, que afixou logo na entrada o aviso proibindo que se ligue o som nos veículos. Alguns barraqueiros também já começaram a adotar essa prática. É o caso da barraca Ar Livre, no Imbuí, que afixou avisos de proibição de som. "Os clientes até que gostam, pois podem beber e conversar sossegados", disse Arlindo Moreira Brito, que administra o local.

Saiba mais

O que diz a Lei

A Lei do Silêncio (nº 5.354/98), em Salvador, tem sete anos de promulgada. Determina que, das 7 às 22 horas, o limite de som mecânico (uso de equipamentos sonoros) não pode ultrapassar os 70 decibéis. Das 22 às 7 horas, esse limite cai para 60 decibéis. Neste nível, o som equivale a uma conversa normal entre duas ou mais pessoas, sem a interferência de outros sons ambientais. Para quem infringir essa lei, a multa varia de R$ 500 a R$ 30 mil, apreensão dos equipamentos e cassação do alvará de funcionamento.


Níveis sonoros na lei municipal
70 decibéis - das 7 às 22 horas
60 decibéis - das 22 às 7 horas
OBS: para o Código de Polícia Administrativa, Lei nº 5.503/99 (Artigo 117, Parágrafo 2º): os locais de cultos religiosos não podem ultrapassar os limites sonoros da lei.

Audição fica prejudicada

A capacidade auditiva de um indivíduo pode limitar-se a 60%. Todavia, por ser ele ainda capaz de ouvir a própria voz e certos barulhos rotineiros, não se preocupa com a surdez. A perda total de audição pode acontecer se a pessoa fica sujeita diariamente, durante oito horas seguidas, a sons com intensidade superior a 85 decibéis, como os registrados em discotecas e aeroportos.

DANOS AOS OUVIDOS

Até 60 decibéis (db), que é o permitido por lei, a uma distância de até dez metros, o som equivale ao de uma conversa normal em ambiente fechado ou ao som ambiente de um rádio ou televisão.


Ruído de 140 decibéis (db) pode destruir totalmente o tímpano, provocando o que se denomina "estouro do tímpano". Equivale à decolagem ou à aterrissagem de um avião a jato a menos de 100 metros de distância.


Quando o ruído atinge 100 db, pode causar o "trauma auditivo" e a conseqüente surdez. Equivale ao som de uma discoteca ou boate.


Ao nível de 120 db, além de lesar o nervo auditivo, provoca, no mínimo, zumbido constante nos ouvidos, tonturas e aumento do nervosismo. Equivale ao som de um trio elétrico a menos de dez metros de distância.

CAMPEÕES DO RUÍDO

Bairro nº queixas
Pituba 932
Brotas 589
Boca do Rio 462
Liberdade 421
Pernambués 410
São Caetano 349
Itapuã 303
Federação 297
Periperi 288
Rio Vermelho 278
Massaranduba 268
Cosme de Farias 263

OS PRINCIPAIS POLUIDORES

Tipos nº queixas
Som de bares 9.248
Som de veículos 7.169
Residências 3.202
Outros 1.445
Igrejas/cultos 1.357
Barracas 1.132
Total de ocorrências - 27.499

Fonte: Sucom (Superintendência de Controle e Uso do Solo de Salvador)







Carros da Transalvador vão ter aparelho que mede o volume de som do ambiente
9/1/2010
Fonte: ibahia


Às sextas-feiras é comum as pessoas se encontrarem com os colegas após o expediente do trabalho. Além da bebida e dos petiscos, o som alto costuma completar o encontro. Foi por conta desse terceiro elemento, que um dos pontos tradicionais em Salvador para o chamado happy hour foi interrompido nesta sexta (8) por fiscais de combate à poluição sonora.

Um homem foi flagrado na rua próxima à Casa do Comércio com som 30 decibéis acima do permitido para o horário, que era de 70 decibéis. Durante toda a fiscalização o clima foi de tensão. Somente após 40 minutos de negociação o motorista entregou o equipamento de som. Outros dois aparelhos foram apreendidos e três veículos multados.

Salvador foi apontada como uma das cidades mais barulhentas da América Latina no último levantamento feito pela Organização Mundial de Saúde (2008). A cada mês a prefeitura recebe 2.500 queixas de poluição sonora. Muitas são feitas por moradores insatisfeitos com o barulho.

Além de pagar multa que varia de R$ 481 a 80 mil para ter de volta o som apreendido, o 'barulhento' tem que participar de uma palestra educativa.

A partir de fevereiro viaturas da Transalvadar vão ter o decibelimetro, aparelho que mede o som do ambiente. Se houver excesso os agentes de trânsito vão poder apreender equipamentos de som e aplicar multa.

“Os infratores também terão que assinar um termo de compromisso de que se transformarão em agentes multiplicadores contra a poluição sonora”, completa o Superintendente da Sucom, Claúdio Silva.









DENUNCIE PELO TELEFONE(EM SALVADOR-BAHIA) ATRAVÉS DO NÚMERO:2201-6660.
Horário de Atendimento: 24 horas

Um comentário:

Solre1@hotmail.com disse...

Contem comigo. Entrei nessa luta novamente.